sábado, 25 de março de 2017

Autoconfiança quando se tem preparo




“Autoconfiança quando se tem preparo"

Por Gláucia Matuura


É interessante como às vezes nos comportamos diante de situações consideradas por nós “difíceis” e desafiadoras que nos são apresentadas durante a realização de algo importante para nós. Se nos preparamos para elas, porque as tememos? Por que não agradecemos que chegou o momento de passar por elas e irmos à luta? E que se superarmos este momento muitas outras etapas para nossa evolução virão? E que na realidade essas percepções de dificuldades e desafios são apenas um modo de olhar? Partimos para luta com nossa fé, com nossa razão, com nossa ação, com nosso preparo, e sabe-se lá, até com o despreparo ou deixamos que grande parte da nossa autoconfiança se torne insignificante diante dos episódios que a vida nos apresenta. Dá a famosa “tremida na base”, medo de enfrentá-los por acharmos que não temos competência o suficiente ou que dependemos de pessoas que saibam um pouco mais que nós (ou não, por que não temos coragem de assumir o quão bom a gente é quando nos preparamos para algo) e os deixamos assumir o nosso devido papel. Isso, acredito ser um grande erro, pois limitam o nosso potencial, o nosso desenvolvimento. É um erro acreditar que outros sempre podem fazer melhor o papel que pra nós foi designado e desta forma ficamos estacionados e não evoluímos. O fato é que é um alerta para mudança de crenças, padrões, posturas e atitudes que nos fazem sentir essa impotência em relação a essas questões. É o momento para despertarmos. Mesmo que não tenhamos amigos que possam nos alertar, nos auxiliar ou nos acolher, nós temos nossa consciência, o encontro com o nosso interno que vai dizer para nós: “Escuta bem, está na hora de mudar, de agir, de ser capaz de perceber infinitas e maravilhosas possibilidades que há bem diante do teu nariz! Se acha que você não é bom o suficiente para seu papel, estude, prepare-se, mexa-se, faça qualquer coisa. Reconheça em você seus defeitos e aprenda a lidar com eles, reconheça sobretudo suas melhores qualidades e saiba usá-las. Pois se você continuar nessa zona de conforto, vai continuar batendo na mesma tecla e não sairá do lugar e isso só irá resultar em colheitas desagradáveis, e sua estrela, por mérito teu não irá brilhar, ou sempre vai se esconder sob a luz da estrela do outro. Se tem competência, faça! Saiba perceber quem pode te ajudar, quem é realmente bom e qual seu propósito com você, seja humilde, peça ajuda quando não for da sua alçada, mas se for, faça!  Aprenda também a se distanciar daquilo ou daqueles que não lhe pertence, daqueles que só atrasam com energias negativas e vampirismos energéticos, e até lhe ludibriam ou hipnotizam com suas idéias egóicas. Missão de Alma é missão de Alma, não tem como delegar... Dentre estas e outras tantas situações, temos que realmente ficarmos em equilíbrio para podermos escutar esta voz interna que nos orienta para nos auxiliar a entender o que nos foi apresentado. Avaliar, traçar metas com bons focos. Não nos esqueçamos que temos uma Equipe Espiritual de Luz que atua conosco quando estamos com propósitos elevados. Se nos preparamos para tal situação, AUTOCONFIANÇA e fé são a força motriz para realização e sucesso. 


Não permita que sua falta de fé e seu medo lhe impeçam da sua estrela brilhar quando você sabe que tem um propósito Divino e digno, competência e que preparou para tal momento. Procure não delegar Sua Missão de Alma, procure cumpri-la! Se acreditar ser um pedaço de Alma, procure fazer a sua parte, e se puder, auxilie as suas demais partes, afinal de contas Somos todos UM”. 


Ser terapeuta é um ato de amor!








Ser Terapeuta é um ato de amor

Por Gláucia Matuura

“ O terapeuta holístico ou terapeuta complementar é o profissional que atua no tratamento complementar de doenças e distúrbios físicos e/ou psíquicos. O holismo pressupõe uma abordagem que atua no problema como um todo, não fragmentado ou tratado apenas pela parte problemática ou doente. Assim, para o terapeuta holístico, uma doença ou problema não resume a algo físico: "a abordagem holística acredita que os elementos emocional, mental, espiritual e físico de cada pessoa formam um sistema, e objetiva tratar de toda a pessoa em seu contexto, concentrando-se tanto na causa da doença como dos sintomas".

O que é ser um terapeuta?

Parece que há terapeutas se esquecendo do que é ser terapeuta, terapeutas que não agem como terapeutas, e terapeutas que não são terapeutas e agem como terapeutas.... Confuso não é? Essa é a realidade que nós terapeutas nos encontramos. E por causa de atitudes antiéticas, exemplos ruins de alguns profissionais resolvi escrever este texto. Lembrando que é uma opinião particular baseado na minha visão, não tenho intuito de julgar e sim para trazer uma reflexão.
Interessante o terapeuta identificar a situação ao qual ele se encaixa e procurar agir como um terapeuta holístico ou complementar caso queira atuar nessa área. Parece que virou moda ser terapeuta. Opção porque gosta de cuidar, tem vocação, por dinheiro ou porque está desempregado e tantos outros motivos que o levam a se encher de cursos de final de semana e sem a mínima noção da responsabilidade do que é SER TERAPEUTA. É evidente de que cada um é cada um. Tem gente que tem o dom, tem gente que não tem dom nenhum de cuidar. Há aqueles que em um, dois, três dias, realmente se formam em excelentes profissionais, ao passo que tem outros com infinidades de cursos que não são. Será que estamos preparados para ser terapeutas por causa só do certificado do curso? É necessário empenho, conhecimento, prática, principalmente sabedoria, moral e amor ao próximo. O dinheiro de fato é importante, e muitos são muito bem remunerados na área. Porém, bem sabemos, não pode ser a primeira opção. Ao se optar em ser terapeuta existe uma responsabilidade com o próximo. Conhecê-lo, saber orientá-lo em suas dificuldades. Não ser muletas, não explorar o seu cliente financeiramente e tantas outras situações que precisam ser trazidas a luz da consciência. Não desenvolver cursos “meia boca” sem ter noção do que se está fazendo, formando muitas vezes pessoas despreparadas. Lidamos com energias, com saúde, com sentimentos e emoções. Energias trevosas se manifestam em todos os tipos de doença e situações. Não dá para o terapeuta achar, divulgar um mundo cheio de rosas e viver num país das Maravilhas. O mundo e as pessoas infelizmente estão cada vez mais doentes, pelo menos a grande maioria, seja moral, espiritual, fisicamente ou emocionalmente. Estou mentindo? Medo, raiva e tantos outros sentimentos e exemplos negativos que a sociedade e o mundo estão vibrando que são incontáveis. A pessoa que escolhe ajudar a outra precisa ter no mínimo preparo para lidar com isso, saber se proteger, blindar de energias deletérias e desqualificadas, inclusive saber se pode colocar a mão em determinado problema do cliente. Tem gente criando carmas e aumentando carmas por colocar a mão em cumbuca que definitivamente não pode pôr a mão. Isso é RESPONSABILIDADE. Um terapeuta doente não é capaz de tratar e cuidar de uma pessoa doente, seja nos corpos físico, mental, emocional ou espiritual. Vale ressaltar que não somos médicos ou dentistas para prescrever medicamentos ou cancelar qualquer tipo de tratamento orientado por estes profissionais e que a terapia holística é um complemento. Em primeiro lugar, o terapeuta precisa cuidar de si mesmo, procurar auxílio de outro bom profissional sempre, procurar estar equilibrado, saber a hora de agir, de silenciar, de ouvir, de se preparar, buscar a automaestria, autoconhecimento, atuar de maneira ética, sem criar ilusões, deixar claro que a maior parte do sucesso do tratamento está na própria pessoa que veio buscar ajuda. É praticar o bem! Ser holístico é entender a vida, o ser como um todo e agir como tal. É uma missão linda e importante! É auxiliar o próximo a entender sobre si mesmo e poder seguir em frente. É curar a si mesmo, desprender-se de padrões negativos e ajudar o outro a se curar. Ser terapeuta é um ato de amor!
Parte superior do formulário

quarta-feira, 15 de março de 2017

E então? Qual a qualidade da minha água?




 Masaru Emoto

Masaru Emoto (1943 – 2014) foi um fotógrafo que ficou conhecido internacionalmente por ter realizado uma série de experiências submetendo a água destilada a diversos pensamentos e emoções humanos. Seu trabalho ganhou repercussão após o documentário “Quem somos nós”. É autor de vários livros como: 


- “As mensagens da água”
- “As mensagens escondidas na água”
- “O poder curativo da água”
- “A vida secreta da água”


O experimento consistiu em submeter 0,5 mL amostras de água destilada previamente distribuída em placas de Petri a diferentes palavras, músicas e imagens. Em seguida, estas placas foram congeladas e armazenadas a uma temperatura de -25°C por cerca de três horas. Os cristais resultantes foram analisados através de microscópio, ampliados e em seguida fotografados.


 Sr. Emoto observou também amostras de água recolhidas de mananciais, águas da chuva, dos rios e de outras partes do Japão e do mundo. Foram analisadas mais de dez mil fotos de amostras de água em aproximadamente quatro anos e meio. 
Segundo suas pesquisas, palavras, pensamentos e sentimentos influenciam no comportamento da molécula de água. Essas conclusões têm sido classificadas pela comunidade científica como pseudociência. Sr. Emoto tem sido alvo de várias críticas pelo fato de suas conclusões não se basearem em comprovações científicas. Basta pesquisar na Internet as variadas opiniões e formar a sua própria. 
 
Supondo que exista uma verdade por detrás dessas pesquisas, pelo ponto de vista espiritualista, sem levar em conta essa polêmica que o Dr. Emoto tem título de Doutor por correspondência ou pelos fatores físico-químicos ou presença de contaminantes que a própria molécula da água possua ou seja submetida, o fato é que se trata de um tema muito interessante para se refletir se levarmos em conta a influência das vibrações energéticas na água como sugerem as observações de Masaru Emoto. Se pararmos para pensar que cerca de 70% do nosso corpo é constituído de água, qual a qualidade do meu pensamento ou sentimento eu vibro, eu emito para mim ou para o outro? Ou para o planeta??? Ou ao preparar um alimento? Ou no caso de fluidificar uma água (segundo crenças espiritualistas). Ou, até mesmo quando se aplica um Reiki ou outros tratamentos energéticos? Enfim, qual a qualidade da minha água? Vale a pena assistir ao documentário “Quem somos nós” o qual aborda muitos destes questionamentos.